arrow

Pagina inicial

página anterior

arrow

Varda blog

arrow

Rastreabilidade de alimentos: de tendencia à mudança de paradigma

Rastreabilidade de alimentos: de tendencia à mudança de paradigma

A rastreabilidade de alimentos está chamando o setor de alimentos para um grande avanço. Aqui iremos descobrir o que é, como acontece e por que pode ser uma prática vencedora para todos os participantes do setor. 

author

Alessia Baker

5 MIN

14.06.23

blog

Nos últimos anos, a indústria de produção de alimentos tem tido a um aumento do interesse, impulsionado por preocupações ambientais, em torno da proveniência dos alimentos e da forma como são produzidos. De fato, a rastreabilidade de alimentos tornou-se um componente importante da competitividade de uma marca de alimentos hoje. Antes de entrar nessa tendência mais recente, resolvemos analisar como o termo ‘Rastreabilidade’ surgiu na indústria alimentícia e qual foi seu foco nos anos anteriores. 

 

Definindo Rastreabilidade de Alimentos 

A rastreabilidade de alimentos é um conjunto de práticas que possibilita rastrear a movimentação de um produto ao longo da cadeia de valor alimentar, desde o campo até a mesa do consumidor. Todo o processo é verificado por uma série de documentos e evolui em três etapas principais: produção, processamento e distribuição. 

O conceito de rastreabilidade pode parecer ter surgido recentemente em conexão com os impactos ambientais da produção de alimentos. No entanto, o termo tem sido usado para rastrear outras instâncias da indústria de alimentos. 

A primeira vez que o termo 'rastreabilidade' apareceu foi na década de 2000, devido a três fatores: predominantemente para prevenir e responder a crises de saúde relacionadas ao consumo de alimentos (doença da vaca louca, gripe aviária) e o medo crescente do bioterrorismo, a consciência ambiental entre os consumidores já estava presente, mas marginal. 

 

O marco legal da rastreabilidade de alimentos 

O termo 'Rastreabilidade' foi usado pela primeira vez em um contexto regulatório. Com efeito, analisando os dois maiores mercados do mundo (EUA e UE) verificamos que nos Estados Unidos a primeira legislação sobre esta matéria surgiu em 2002, com o Bioterrorism Act. Este conjunto de leis estabeleceu o famoso princípio de "um passo à frente, um passo para trás". Isso significava que os produtores sempre deveriam ser capazes de identificar as empresas para as quais forneciam seus produtos (o passo adiante) e rastrear os insumos na cadeia alimentar até o fornecedor anterior (o passo atrás). 

A legislação norte-americana evoluiu bastante desde esse primeiro ato, com o FSMA (Food Safety Modernization Act) de 2011, que instituiu o fast-tracking obrigatório para empresas alimentícias com o objetivo de evitar riscos à saúde. Finalmente, em 2020, o FDA (Administração de Drogas e Alimentos dos EUA) lançou o projeto New Era for Smarter Food Safety, que visa incentivar tecnologias de ponta para mitigar os riscos à saúde e reduzir o desperdício e as emissões. 

Já na União Europeia, o Regulamento da Lei Geral de Alimentos, elaborado em 2002, entrou em vigor em 2005 e foi adaptado na década seguinte, introduzindo ferramentas e obrigações para os operadores das indústrias de alimentos e ração animal. O termo 'rastreabilidade' no documento descreve um processo preventivo dentro das empresas de alimentos para evitar "o potencial de interrupções mais amplas desnecessárias no caso de problemas de segurança alimentar"

 

Como evoluiu a rastreabilidade dos alimentos? 

Conforme discutido, a rastreabilidade de alimentos nasceu de uma obrigação legal motivada por preocupações de saúde pública e razões de segurança, para rastrear a fonte de possíveis doenças e prevenir categoricamente que os alimentos fossem usados para atacar países e sociedades. 

À medida que a globalização e o comércio internacional cresceram, as cadeias globais de fornecimento de alimentos também aumentaram em complexidade e, com elas, a pressão para rastrear com precisão a proveniência dos alimentos, desde o produtor até os distribuidores, até os consumidores em todo o mundo. 

Ao mesmo tempo, com a população mundial crescendo exponencialmente, e com ela também a possibilidade de estar exposto à escassez de alimentos, ter uma visibilidade clara sobre o abastecimento de alimentos tornou-se extremamente importante. O monitoramento e rastreamento eficientes permitem visibilidade em tempo real, possibilitando uma reação rápida em caso de um evento adverso, a fim de mitigar os efeitos de um desastre ambiental, fome ou guerra. 

Na última década, a consciência ambiental e a demanda por produtos de origem sustentável aumentaram entre os consumidores, especialmente nos países desenvolvidos e, por sua vez, tornou-se uma preocupação central para as empresas de alimentos. 

A tecnologia desempenha um papel cada vez mais significativo no atendimento à demanda por mais informações; à medida que a digitalização está ganhando força, a rastreabilidade está se tornando cada vez mais ágil, econômica e precisa. Blockchain, IoT, códigos de barras e sistemas de gerenciamento de logística (WMS) estão permitindo perspectivas sem precedentes tanto para o consumidor final quanto para os grandes players do setor. 

 

A rastreabilidade atual significa mais vendas 

Não passou despercebido pelas empresas e marcas de alimentos que a rastreabilidade é uma poderosa ferramenta de marketing. De acordo com pesquisa da FMI e da Label Insight, em 2019, 75% dos consumidores disseram que a presença de informações detalhadas sobre a proveniência de um produto influenciaria seu processo de compra. Em 2016, era de apenas 39%; um aumento de 92% em apenas três anos que diz muito: os consumidores estão cada vez mais conscientes do que comem, de onde vem e como é produzido. 

Os players que não conseguirem atender a essa demanda do consumidor correm o risco de perder vendas e perder para concorrentes que estão se preparando para adotar a rastreabilidade de toda a sua cadeia de suprimentos. 

Rastreabilidade significa um sistema de produção de alimentos mais sustentável 

Não se trata apenas de competitividade e receita, muitas empresas de alimentos também querem reduzir sua pegada de carbono de fornecimento, produção e distribuição, pois percebem que estamos em um ponto de ruptura em que precisamos produzir mais alimentos, mas não podemos pagar mais emissões de CO2. A rastreabilidade precisa pode ajudar as empresas de várias maneiras a atingir suas metas de redução de emissões e recompensar os fornecedores com a mesma missão. 

De fato, agora é possível analisar etapas de sua cadeia de valor que antes eram opacas. Por meio de modernos sistemas de rastreamento, as empresas podem escolher de maneira mais consciente um fornecedor que trabalha com altos padrões ambientais e de qualidade, levando a um círculo virtuoso para toda a indústria. 

Nos últimos anos, surgiu também a prática do insetting (intervenções são projetadas ao longo da cadeia de valor como forma de diminuir as emissões de GEE), como forma das empresas acompanharem de perto toda a sua cadeia de valor, auditando todos os processos que englobam a produção. As reduções de emissões de carbono via inserção são feitas rastreando internamente as emissões produzidas na cadeia de valor de uma empresa e tomando medidas para reduzi-las

trianglettt
trianglettt
trianglettt

Vamos colaborar!

Entre em contato conosco

arrow

Global FieldID

SoilHive

 

Respeitamos a sua privacidade, para mais informações consulte a nossa Política de Privacidade