arrow

Pagina inicial

página anterior

arrow

Varda blog

arrow

Como tornar as cadeias de fornecimento de alimentos mais transparentes e sustentáveis por meio de um ID de campo global

Como tornar as cadeias de fornecimento de alimentos mais transparentes e sustentáveis por meio de um ID de campo global

Nos últimos anos, o setor agrícola teve um aumento acentuado na demanda por maior transparência e divulgação das práticas agrícolas por parte de reguladores, consumidores, fabricantes de alimentos ou redes de supermercados. Essas tendências, em conjunto com a crescente conscientização do enorme impacto ambiental das atividades relacionadas à agricultura, têm sido uma força poderosa de mudança e inovação no setor. 

Essa busca pelo santo graal de dados agrícolas e de campo confiáveis levou a uma proliferação de plataformas digitais, serviços inovadores e iniciativas em todo o setor, que prometem insights de dados com apenas alguns cliques para todos os clientes.  

author

Davide Ceper, CEO

5 Min

20.04.23

blog

Embora seja verdade que a digitalização da agricultura explodiu na última década (só para dar um exemplo, as máquinas agrícolas mais recentes são capazes de gerar 1 GB de dados por hora, enquanto satélites e sensores cada vez mais poderosos e numerosos examinam os campos diariamente) a dura realidade é que - apesar do imenso investimento em capital e energia humana dedicados a tornar a produção de alimentos “positiva para a natureza” - o objetivo permanece indefinido.  

De acordo com estimativas amplamente aceitas pelo IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas) e outros organismos internacionais, as atividades direta e indiretamente relacionadas à agricultura respondem por cerca de ¼ das emissões globais de GEE e consomem mais de 2/3 do suprimento global de água doce. Para piorar a situação, as estatísticas sobre desertificação e perda de vegetação nativa são assustadoras: de acordo com a Avaliação Global de Recursos Florestais de 2020 da FAO, 10 milhões de hectares de floresta foram perdidos anualmente entre 2015 e 2020 (ou cerca de 30.000 campos de futebol todos os dias, para compreender melhor a escala desta catástrofe).  

Recentemente, participei de um evento do Sistemas Alimentares do Futuro, onde as discussões se concentraram nessas e em outras questões preocupantes, como os 12,8 milhões de toneladas de resíduos alimentares gerados anualmente, ou a enorme escala de perda de biodiversidade para a qual, infelizmente, não existe uma métrica precisa para a avaliação do impacto.

O resultado é que os agricultores, que já estão sob enorme pressão devido a eventos climáticos extremos mais frequentes, chuvas menos previsíveis e fertilidade do solo reduzida, enfrentam cada vez mais demandas para cumprir uma infinidade de protocolos e solicitações de compartilhamento de dados para determinar o impacto ambiental de suas colheitas.  

"Existem também vários desafios no rastreamento da utilização de práticas agrícolas sustentáveis. Por exemplo, a escalabilidade e a confiabilidade dos esforços de coleta de dados permanecem questionáveis. "

Além disso, devido à natureza dos mercados de produtos de base, muitas vezes não parece haver uma clara vantagem de diferenciação, por exemplo, em termos de preço ou de acesso ao mercado, para os produtores corajosos que investem na agricultura regenerativa.

Criando uma linguagem geoespacial universal para a agricultura

Ao lidar com dados agrícolas, duas das principais questões são a enorme fragmentação e complexidade da cadeia de abastecimento e a penetração limitada de padrões de dados, que tornam a agregação de dados de diferentes fontes e a colaboração entre os participantes da indústria uma tarefa muito desafiadora.  

Quando a Varda foi criada para acelerar a transição para um sistema alimentar positivo para a natureza por meio de um melhor acesso aos dados agrícolas e de campo, percebemos que faltava à indústria uma forma unificada de identificar a principal unidade de produção agrícola: o campo. Na verdade, cada empresa do setor define campos com seu próprio sistema de identificação (interno), exacerbando a fragmentação dos dados e limitando a interoperabilidade das ferramentas. Por meio de uma melhor conectividade, os agricultores podem usar as informações para aumentar seus rendimentos e obter mais informações para gerenciar seus recursos de maneira ainda mais eficiente.  

Portanto, se quisermos enfrentar a questão da fragmentação de dados na agricultura, o primeiro passo é garantir que cada parte interessada possa contar com uma infraestrutura compartilhada para identificar e encontrar campos agrícolas em qualquer lugar do mundo. Foi isso que inspirou a criação do Global FieldID™ (GFID), um sistema geoespacial universal que atribui um identificador único a praticamente todos os campos e pode ser consultado por meio de uma API simples, usando uma localização GPS ou compartilhando uma imagem do formato do campo, quando disponível.  

Assim como uma cidade requer ruas e praças com nomes comumente aceitos, o mesmo acontece com a agricultura, se realmente quisermos promover a colaboração e a inovação em escala.  

Ao estabelecer uma referência geoespacial compartilhada para os campos, os participantes do setor podem se comunicar com mais eficiência, melhorando a interoperabilidade das ferramentas de agricultura digital e promovendo a troca de dados em toda a cadeia de valor agrícola e alimentar. 

"Esta linguagem comum pode facilitar processos de tomada de decisão mais eficientes e colaborativos, beneficiando toda a indústria. "

Mais importante ainda, uma vez que o sistema seja amplamente adotado, os agricultores poderão atender às solicitações de compartilhamento de dados usando um mecanismo mais conveniente do que atividades ad hoc demoradas de entrada de dados. 

Depois de estabelecer nossa primeira parceria global com a Syngenta e a Yara, nos concentraremos pelo resto do ano na expansão da cobertura do serviço para os principais países agrícolas (começando nos EUA e no Brasil) enquanto conectamos o FMIS (sistemas de informações de gerenciamento agrícola) mais amplamente adotado e plataformas de agricultura digital, com o objetivo de expandir a adoção desse novo padrão por meio do qual – acreditamos – empresas e agricultores com visão de futuro poderão conduzir a transição para um sistema alimentar mais sustentável, resiliente e transparente. 

O resultado final

Devemos agir agora para tornar a produção global de alimentos resiliente e ambientalmente sustentável. 

Resolver a questão da fragmentação de dados é crucial não apenas para a indústria agrícola, mas também para a segurança alimentar global. É por isso que é imperativo que os setores de alimentos e agricultura se unam e implementem táticas eficientes para desmantelar silos de dados, aprimorar o compartilhamento de informações e promover uma colaboração mais eficaz. 

Uma nova linguagem universal para a agricultura é um alicerce necessário para tornar essa visão uma realidade. 

trianglettt
trianglettt
trianglettt

Vamos colaborar!

Entre em contato conosco

arrow

Global FieldID

SoilHive

 

Respeitamos a sua privacidade, para mais informações consulte a nossa Política de Privacidade